Estudo: Pequenas e Médias Empresas Querem Ser Mais Globais

SAP LogoA SAP AG e a Oxford Economics, analista de mercado independente, apresentaram os resultados de um estudo, conduzido pela Oxford Economics e patrocinado pela SAP, que mostra que as Pequenas e Médias Empresas (PME) em todo o mundo estão a fazer importantes mudanças nos seus modelos de negócio e nas suas estratégias de produto e de abordagem ao mercado.

As PME estão igualmente a competir com as grandes empresas ao investirem em tecnologia para melhorarem as suas operações e tornarem-se mais eficientes. Este estudo, realizado junto de 2.100 executivos de PME em 21 países, mostra que estes acreditam estarem equipados para competirem com as grandes empresas e para ganharem vantagens competitivas claras sobre estas. Os resultados deste estudo derrubam alguns dos estereótipos do mercado que classificam as pequenas empresas como entidades locais ou regionais, e em grande parte como tecnofóbicas.

Resultados a destacar deste estudo:

· As PME esperam crescer fora dos respectivos mercados domésticos, ao mesmo tempo que enfrentam o crescimento da concorrência global “em casa”. O número de empresas que espera gerar cerca de 40 por cento das suas receitas internacionalmente irá aumentar em 36 por cento nos próximos três anos. 15 por cento dos inquiridos tem actualmente negócios em seis ou mais países, um número que se espera que venha a subir para os 35 por cento em três anos, tendo por base as respostas obtidas neste estudo. Mais de um quarto dos inquiridos refere a crescente concorrência global como uma das três principais tendências que afectam os seus negócios actualmente. Quase 60 por cento afirmam que a concorrência de empresas estrangeiras aumentou substancialmente nos últimos dois anos. E 59 por cento dizem que estão presentemente a competir mais com grandes empresas que no passado.

· As PME estão a formar redes em todo o mundo. Mais de metade dos inquiridos diz que está a estabelecer, cada vez mais, parcerias com fornecedores e outros vendedores localizados fora dos seus mercados internos. Um número semelhante está a colaborar crescentemente com outras empresas através de plataformas e redes de negócios online para ajudar a impulsionar a inovação e o crescimento. Quase 40 por cento das PME referem a formação de alianças e parcerias estratégicas como um desafio-chave à medida que transformam as suas empresas para o mercado global. A computação na Cloud e as redes sociais são consideradas como importantes facilitadores.

· As PME reconhecem que devem abraçar a transformação do negócio para competirem. Dois terços de todas as empresas inquiridas estão em algum estágio do processo de transformação (prestes a começar, em processo, ou recentemente concluído) do seu negócio, com a transformação a ser entendida como uma forma de ajudar a alcançar mudanças significativas nos seus modelos de negócio, tecnologia, ofertas de produtos ou estratégia de mercado.

· A tecnologia é importante para as PME e um importante elemento de transformação. O investimento em novas tecnologias aparece como sendo a principal prioridade estratégica para as PME que estão a transformar os seus negócios para o mercado global, incluindo o investimento em software de gestão empresarial, analítica de dados, mobile, redes sociais e cloud computing. Quase dois terços acreditam fortemente que a tecnologia pode ajudá-las a alcançar longevidade e crescimento sustentável. No geral, 35 por cento dos inquiridos identificam-se como “early adopters”; o número sobe para 42 por cento no sector da produção discreta e para 47por cento nas empresas da América do Norte. Além disso, menos de um terço dos inquiridos afirma que a sua empresa não possui as capacidades tecnológicas dos maiores concorrentes e apenas pouco mais de um quarto afirma estar a esforçar-se para compreender como a tecnologia pode criar benefícios mensuráveis para sua empresa.

· Uma tecnologia inovadora é crucial para ajudar as empresas a entrarem em novos mercados e a criarem relações sólidas com os clientes. Mais de um terço dos inquiridos refere a criação de uma cultura de inovação como uma prioridade principal nos seus esforços de transformação. Regionalmente, os mercados emergentes* (55 por cento) e as empresas latino-americanas (58 por cento) colocam uma especial ênfase na inovação. As empresas dos mercados emergentes mostram também uma maior propensão (54 por cento) para esperarem que o crescimento seja impulsionado por novas ofertas de produtos e serviços, que as empresas dos mercados desenvolvidos (43 por cento). O mobile é, para as PME, o facilitador tecnológico líder para o ganho de vantagem competitiva, bem como um importante motor de inovação. Os inquiridos citam a inovação como o maior benefício resultante da adopção do mobile, mais do que qualquer outra tecnologia considerada.

· As PME são motores de emprego, mas enfrentam obstáculos culturais à adopção da tecnologia. Quase metade (46 por cento) dos inquiridos está activamente a contratar colaboradores para apoiar as suas actividades de crescimento. As PME enfrentam os mesmos problemas que os seus maiores concorrentes, 39 por cento encontram cada vez mais dificuldades em recrutar pessoas com as competências adequadas. De acordo com 31 por cento das respostas, incentivar os colaboradores a usar tecnologia móvel é um obstáculo, enquanto 35 por cento dizem que a falta de compreensão dos benefícios da cloud computing é um problema. E 43 por cento das PME indicam que têm dificuldade para incentivar os colaboradores a adoptarem as redes sociais.

*São considerados como mercados emergentes o Brasil, Chile, China, Colômbia, República Checa, Hungria, Índia, México, Rússia, África do Sul.

2013-07-03
AICEP

COSEC lança soluções de Apoio às empresas Exportadoras Nacionais: Garantia + e Garantia ++

CosecCOSEC lança soluções de Apoio às empresas Exportadoras Nacionais: Garantia + e Garantia ++

A COSEC, seguradora líder em Portugal nos ramos do Seguro de Créditos, apresenta as novas soluções de cobertura adicional Garantia + e Garantia ++ que permitem às empresas majorar a cobertura de riscos, acima do limite máximo de crédito atribuído na apólice de seguro de créditos, tornando a gestão do risco mais abrangente e completa e com uma clara identificação dos custos e benefícios de cada operação.

Face ao agravamento do risco de crédito verificado no mercado doméstico e nos mercados externos e face à necessidade permanente de apoiar as exportações e a atividade económica, a COSEC considerou fundamental e oportuna a apresentação desta solução inovadora, reconhecendo a relevância das coberturas adicionais como resposta compreensível às solicitações das empresas, muitas delas com perfil comercial fortemente vocacionado para a exportação.

As novas Soluções de Cobertura Adicional permitem aos segurados incrementar as coberturas parciais dos seus riscos, até ao dobro do montante concedido na apólice, para clientes situados no mercado doméstico e nos mercados externos, optando pela Cobertura Adicional Garantia +. Adicionalmente, os segurados podem ainda obter coberturas para riscos que não tenham valor atribuído na apólice, ou obter um montante superior ao dobro da cobertura existente, para clientes situados nos mercados externos, optando assim pela Cobertura Adicional Garantia ++.

A COSEC vai disponibilizar esta oferta a todos os seus Clientes com efeitos imediatos, promovendo uma ampla divulgação da informação sobre esta oferta através das suas redes comerciais e plataforma online (COSECnet), antecipando que a mesma terá boa adesão por parte das empresas e consequemente contribuir para a dinamização da atividade económica, em Portugal e nos mercados externos, no âmbito da cobertura das vendas a crédito para estes mercados

2013-07-01 11:49
AICEP